O preocupante aumento nas fraudes bancárias no Brasil

Atualmente muitos preferem fazer uso do home banking para resolver suas pendências. Praticamente tudo pode ser feito pela internet hoje em dia, transferências bancárias, pagamentos, consultas de saldos e até empréstimos. 

Cerca de 80% dos correntistas já fazem uso destes recursos para poupar tempo, e à medida que o número de acessos pelo site cresce, aumenta também o número de reclamações junto ao Banco Central (BC) sobre a quebra de sigilo e à segurança dos canais de acesso às contas pela web. Entre os anos de 2016 e 2017 constatou-se um aumento de 297%.

Não é novidade que a maior parte das fraudes via internet banking ocorrem por falha humana. Muitas delas recebem mensagens sobre supostas promoções, notícias sensacionalistas ou Fake News, seja por e-mail, Facebook ou WhatsApp, e acabam clicando no link informado. A partir do momento em que ela visita esse site, seu celular ou seu computador pode estar sendo infectado com algum tipo de vírus, que possa vir a roubar informações como as credenciais de acesso ao banco por exemplo.

Não custa lembrar alguns cuidados básicos antes de acessar sua conta bancária  

 

1 -Verifique o endereço do site do banco antes de utilizá-lo

Um dos truques mais usados por criminosos para ter acesso a contas bancárias pela internet é a criação de sites falsos de bancos, mas que se assemelham bastante às páginas verdadeiras (phishing). Os usuários mais desatentos podem fornecer informações sigilosas, como número de conta corrente e senha de acesso.

 

2 - Cuidado com e-mails falsos em nome do banco

Outro artifício bastante utilizado pelos golpistas é o envio de e-mails falsos (pishing scam) em nome do banco. A mensagem tenta induzir o usuário a clicar em um link ou em um arquivo anexado que possui propriedades maliciosas.

Para isso o texto pode afirmar, por exemplo, que o usuário tem uma dívida pendente ou teve determinada quantia sacada da sua conta recentemente. No susto, a pessoa clica no suposto link ou arquivo que fornece mais detalhes sobre o problema, mas este, na verdade, direciona para um site falso ou instala um malware que captura dados digitados.

 

3 - Evite utilizar internet banking a partir de computadores públicos

Evite ao máximo utilizar computadores públicos, como os que são disponibilizados em escolas, faculdades, bibliotecas ou lan-houses. A máquina pode conter malwares ou softwares que capturam informações digitadas sem que você perceba. Prefira fazer o acesso apenas em computadores ou dispositivos móveis pessoais.

 

4 - Proteja o seu computador ou dispositivo móvel

De nada adianta utilizar apenas o seu computador para acessar o internet banking se você não protegê-lo. É simples:

  • Instale as atualizações de segurança de seus softwares, especialmente do sistema operacional. Em plataformas como Windows e OS X, esta tarefa pode ser feita automaticamente;
  • Utilize sempre as versões mais recentes dos seus navegadores;
  • Use softwares de segurança, como antivírus, não esquecendo de mantê-los atualizados;
  • Faça download apenas a partir de sites ou lojas de aplicativos conhecidos e tome cuidado com links ou arquivos compartilhados por e-mail, redes sociais ou serviços de mensagens instantâneas (WhatsApp, Facebook Messenger, Hangouts, etc.);
  • Cuidado com sites ou anúncios on-line excessivamente vantajosos, como ofertas de produtos com preços muito baixos, banners que avisam que você ganhou um prêmio, páginas que prometem imagens eróticas ou jogos gratuitos e assim por diante. Pode haver malwares ali.

 

5 - Não acesse a sua conta bancária a partir de redes Wi-Fi públicas

Sempre que possível, acessa a sua conta apenas a partir da rede Wi-Fi da sua casa ou de seu plano 3G / 4G. Redes públicas, especialmente abertas (não exigem senhas), podem ter mecanismos que capturam dados dos dispositivos que as acessam.

 

6 - Use apenas os aplicativos móveis oficiais do banco

É cada vez mais comum acessar internet banking a partir de smartphones e tablets. Para a modalidade móvel, utilize apenas os aplicativos fornecidos ou indicados pelo próprio banco, não esquecendo de mantê-los atualizados.

 

7 - Monitore sua conta com extratos via e-mail e avisos por SMS

Atualmente, a maioria dos bancos permite que você receba extratos diários ou em outra periodicidade por e-mail, muitas vezes de graça. Esta é uma maneira bastante interessante de acompanhar as movimentações em sua conta e identificar qualquer transação que você desconheça.

Neste sentido, muitos bancos também oferecem alertas por SMS: uma mensagem é enviada ao seu celular tão logo uma transação é realizada em sua conta ou em seu cartão de crédito. Este é um recurso interessante porque permite identificar operações não reconhecidas - como um saque - assim que o procedimento tiver sido efetuado, de forma que você possa entrar em contato com o banco imediatamente para evitar "estragos maiores".

 

O que fazer após ser vítima de um golpe?

Se mesmo depois de todos esses cuidados você achar que foi vítima de um golpe, não se desespere. O primeiro passo é procurar o banco.

Se você estiver certo de que aquela não é mesmo uma movimentação feita por você, entre em contato imediatamente com o banco para que a instituição tome as devidas providências, como bloquear temporariamente o acesso à conta, cancelar o cartão de débito/crédito ou emitir alertas para outras empresas.

Lembre-se de pedir um número de protocolo para comprovar o seu contato.

É expressamente recomendável que você guarde extratos e outros documentos que comprovem a movimentação indevida e registre um Boletim de Ocorrência (BO) na delegacia mais próxima fornecendo o máximo possível de detalhes às autoridades.

Não existem normas especificas que obriguem os bancos a ressarci-lo ou não. Cada caso é avaliado e estudado levando em conta a conduta do correntista e analisam se ele contribuiu, de alguma forma, direta ou indiretamente, para que a fraude se concretizasse.

No entanto se o banco se negar a ressarcir o correntista alegando que a responsabilidade pelo ocorrido é do usuário, será necessário procurar orientações de entidades de defesa do consumidor ou mesmo a Justiça. Neste ponto, o Boletim de Ocorrência e os comprovantes ajudam bastante.

 

*Airton Guerner - MBA em Governança de TI - ICPG, Pós Graduado em Consultoria e Implantação de Software - ICPG, Bacharel em Sistemas de Informação - Uniasselvi. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como coordenador do suporte ao cliente - Escrita Fiscal. Articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2017.

 


Artigos

Compartilhar

Todos os direitos reservados ao(s) autor(es) do artigo.

Deixe sua mensagem!

Entraremos em contato o mais breve possível!

Abra sua empresa!

Juntos trabalharemos pelo seu sucesso!

Migre sua empresa!

Tenha um escritório de contabilidade confiável ao seu lado!

Trabalhe Conosco

Faça parte da nossa equipe competente!

Anexar Currículo

Escolher Arquivo Nenhum arquivo selecionado

Dados Pessoais

Escolaridade

Cursos


Idiomas

Experiência Profissional

Pretensões

ajuda-chat
ajuda-chat
ajuda-chat_open